Vida
"Só entendemos direito o milagre da vida quando deixamos que o inesperado aconteça.

Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possível mudar tudo o que nos deixa infelizes.

Todos os dias procuramos fingir que não percebemos este momento,que hoje é igual a ontem e será igual ao amanhã.

Mas quem presta atenção ao seu dia descobre o instante mágico.

Ele pode estar escondido na hora em que enfiamos a chave na porta pela manhã, no instante de silêncio logo após o jantar, nas mil e uma coisas que nos parecem iguais.

Mas este momento existe, um momento em que toda a força das estrelas passa por nós, e nos permite fazer milagres.

A felicidade às vezes é uma benção,mas geralmente é uma conquista.

O instante mágico nos ajuda a sair em busca de sonhos.

Vamos sofrer,vamos ter momentos difíceis,vamos enfrentar muitas desilusões.

Mas tudo isto é passageiro, e não deixa marcas."





(Paulo Coelho)
































Raramente somos livres;

somos escravos da moda;

das aparências;

das opniões;

dos nossos sentidos.

Tantas barreiras

que se opõem

ao curso natural

dos nossos pensamentos !!



Tudo vai ficar melhor

"Muitos dizem, pior do que isso impossível, acredite, pode piorar, enquanto você pensar assim, certamente ficará cada vez pior. Seja otimista, grandes oportunidades surgem nos piores momentos, se você souber vê-las.

A vida tem altos e baixos, quando estamos no alto tudo parece claro, nítido, temos força, coragem e determinação para superar todos os obstáculos que nossa vista alcança, a motivação e o espírito de liderança são nossos aliados, ninguém pode nos vencer. Mas nos momentos de baixa nos falta força, coragem, auto estima e bom senso, às vezes perdemos a fé e os pensamentos ficam turvos, nestas horas você deve acreditar, invocar as forças motivacionais que existem em seu interior e gritar bem alto: Tudo vai ficar melhor!"













"Fazer valer a pena..."

_A vida é muito curta para acordar com arrependimentos.
_Ame as pessoas que te tratam bem.
_Acredite que tudo acontece por uma razão.
_Se tiver uma segunda chance, agarre com as duas mãos.
_Se isso mudar sua vida,deixe acontecer.
_Abrace.
_Beije.
_Perdoe.
_Deus nunca disse que a vida seria fácil.
_Ele simplesmente prometeu que valeria a pena!
"Fazer valer a pena!!"


domingo, 31 de janeiro de 2016

O ano de 2015 foi meio complicado,mas nada que eu não tire de letra.
Tive muitas crises de labirintites e ainda estou tendo,as crises não tem uma explicação lógica,vai de um estress a até um desajuste do meu organismo.
Ainda não sabemos o que provoca as crises.Mas fora isso o ano foi bem legal,passeei bastante,curti festas,fui ao cinema,aliás,adoro um cineminha.

De Volta...

Olá galera,andei sumido mas agora estou de volta.Esse ano prometo que vou retatar mais meu dia a dia.
Vou fazer um breve resumo de como foi meu 2015.Ok

Você sabe o que é Bexiga Neurogênica? O Dr. Francisco Coutinho explica.



Clique aqui!!! =D

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Aprenda como obter sua carteira de habilitação especial

A Carteira Nacional de Habilitação (CNH) pode ser adquirida por qualquer pessoa que consiga passar nos exames necessários. Inclusive o candidato portador de algum tipo de limitação física, que não interfira na capacidade de dirigir, pode conduzir normalmente, desde que o veículo seja adaptado. “As pessoas com deficiência normalmente não sabem dos benefícios que podem ter. Eu tirei uma carteira que constata minha situação e faço minhas atividades com comodidade”, conta Olívia Sanches, 35 anos, que perdeu o movimento de uma das pernas devido a um acidente automobilístico, mas que dirige normalmente pela cidade. Segundo Maria Luisa de Silva Aguiar, responsável pelo setor de Habilitação Especial do DETRAN-SP, os problemas variam muito. “Tem desde pessoas com paralisia, membros amputados, pessoas de idade mais avançada com problemas nas articulações, até vítimas de câncer de mama, por exemplo, que tiveram o seio retirado e o médico recomenda que não se faça esforço excessivo para que nódulos não reapareçam”. PROCEDIMENTOS Para requerer a CHN Especial é necessário ter 18 anos completos, ser alfabetizado, apresentar original e cópia do RG e CPF, cópia do comprovante de residência e uma foto 3×4 colorida com fundo branco. A única diferença em relação à obtenção da carteira de habilitação normal é uma junta de médicos que examina a extensão da deficiência e desenvoltura do candidato. Providenciados os documentos necessários, o solicitante deve procurar uma clínica credenciada autorizada a realizar o exame médico e psicotécnico especial para deficientes (lista disponível em http://www.detran.sp.gov.br/). De posse do resultado do exame médico, fazer a matrícula em um Centro de Formação de Condutores (CFC) credenciado e realizar o exame teórico no DETRAN. Para a realização do exame prático, procure uma auto-escola ou CFC que possua o veículo adaptado para o tipo de deficiência constatada (lista disponível em http://www.detran.sp.gov.br). Nessa fase do processo, o candidato recebe orientação e treinamento adequados. Os exames práticos podem ser feitos as terças e quintas, às 14h, na Av. Aricanduva, 5555 – Aricanduva, atrás do Shopping Aricanduva. Antes do exame prático, o carro é vistoriado por um médico perito que checa se as adaptações estão de acordo com a deficiência constatada. Na CHN Especial está especificada a adaptação necessária para que o deficiente dirija em segurança. ALTERAÇÃO NA CHN A maioria das carteiras especiais emitidas não está em sua primeira via. O que mais acontece são pessoas que já possuem habilitação que são acometidas posteriormente por algum tipo de deficiência. Em casos como esse é necessário que o condutor faça o mais rápido possível a alteração de sua CNH. O processo exige um novo exame médico e prático que irá avaliar se o motorista é apto a dirigir nesta nova situação. O deficiente que circula com a carteira desatualizada pode ser multado, responder criminalmente por acidentes e ter sua carteira de habilitação apreendida. Atualmente a sequência é a seguinte: Inscrição na Autoescola Exames médico e psicotécnico Curso prático na Autoescola Exame Prático no DETRAN (Antes do exame prático, o carro é vistoriado por um médico perito que checa se as adaptações estão de acordo com a deficiência constatada. Na CNH Especial está especificada a adaptação necessária para que o deficiente dirija em segurança. ISENÇÃO DE TRIBUTOS A condição de deficiente físico permite isenções de tributos na compra de veículos. Sérgio Rodrigues, 48 anos, taxista, é um dos beneficiados. “Poucas pessoas estão informadas sobre esse benefício. É uma grande facilidade para quem precisa de carro e é portador de deficiência”. Com a CNH Especial em mãos, o condutor deve requerer em uma clínica credenciada autorizada a realizar o exame médico (lista disponível em http://www.detran.sp.gov.br) a emissão de um laudo para isenção e na Delegacia da Receita Federal uma Certidão Negativa de Tributos e Contribuições Federais (Veja como requerer as isenções de impostos para pessoas com deficiência na aquisição de veículos). Para mais informações orientamos que o interessado procure a Delegacia da Receita Federal e a Secretaria da Fazenda. DETRAN Além de um setor que cuida exclusivamente da Carteira Especial de Habilitação, o DETRAN-SP possui instalações adaptadas para proporcionar atendimento eficiente as pessoas com deficiência. Fonte: http://www.detran.sp.gov.br/ Obs. A diferença da CNH de uma pessoa não deficiente para uma pessoa com deficiência, é que logo atrás da carteira, no espaço observações, é especificado o tipo de carro adaptado que a PcD pode dirigir. Por exemplo, em uma carteira aparece o seguinte: ” veículo automático com direção hidráulica”. Se isso não constasse, o defiente  não poderia dirigir.Uma pessoa amputada do braço direito, agora nas observações aparece o código D.F (Deficiente Físico), e não mais ” veículo automático com pomo giratório e direção hidráulica”.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

sábado, 14 de setembro de 2013

"Falta de acessibilidade em Barra Mansa"

Tentei entrar na padaria Palatos ao lado da Câmara Municipal de Barra Mansa, porém a rampa que dá acesso ao interior do estabelecimento fica com a porta fechada o tempo todo ,causando constrangimento,então o que adianta ter a rampa se não tem acesso livre...Um absurdoooooooooooooo!!!!

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Cães tudo de bom!!!!!

Desabafo!!!

É QUASE IMPOSSÍVEL UTILIZAR O ELEVADOR DO PRÉDIO DA GALERIA UNIÃO EM BARRA MANSA,EU PRECISEI IR AO MÉDICO,A SORTE É QUE A MINHA CADEIRA NÃO É UMA DAS MAIORES,PQ SENÃO EU NÃO PODERIA TER ME CONSULTADO. ISSO É UM DESRESPEITO AO CIDADÃO,TODAS AS PESSOAS TEM DIREITO DE IR E VIR ONDE QUISEREM,VEJAM NAS FOTOS O APERTO QUE PASSEI. VERGONHAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!

terça-feira, 16 de abril de 2013

New look!!!

Novo visual galera!!!
Agora tenho que usar óculos para ver tv e escrever.Ainda  estou me acostumando...
 

Ida ao dentista!!

Cuidar dos dentes é essencial!!




segunda-feira, 1 de abril de 2013

TRISTEZA: SEM ESPAÇO E CONDIÇÕES EM CALÇADA, CADEIRANTE MORRE ATROPELADO NO RIO DE JANEIRO

Um cadeirante morreu após ser atropelado por um motociclista, nesta sexta-feira, em Rocha Miranda, subúrbio do Rio de Janeiro. José Henrique da Silveira Brun, 69 anos, era levado por um amigo pela rua, já que carros estacionados e buracos na calçada impossibilitavam o tráfego no local, e foi atingido pelo motociclista Jonathan da Rocha Silva. Ele morreu na hora, e seu amigo, José da Conceição Basílio, está internado no Hospital Salgado Filho. As informações são do RJTV. O cadeirante ia para casa levado pelo amigo depois de deixar o local em que costumava jogar dominó, por volta de 20h30. O motociclista responderá por homicídio culposo, quando não há a intenção de matar.
Aí eu pergunto,quantas mortes as autoridades governamentais estão esperando para tomar uma atitude?? E a promoção da acessibilidade, quando efetivamente será colocada em prática (Decreto 5296/2004)?? Art. 5º. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade... (Constituição Federal)

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Cadeirantes agora curtem o mar de Noronha

Governo lança projeto Praia sem Barreiras no arquipélago pernambucano. O banho de mar nas águas transparentes e mornas da Praia do Sueste, localizada no arquipélago pernambucano, tornou-se mais democrático, graças à estreia hoje do projeto Praia sem Barreiras, idealizado e executado pela Secretaria de Turismo de Pernambuco (Setur/PE), através da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur). A partir de agora o acesso de cadeirantes à paradisíaca baía da ilha será possível através de uma esteira antiderrapante, que conduz o banhista por 30 metros até quatro cadeiras de rodas anfíbias, desenvolvidas com tecnologia da Nasa e cujo material não esquenta sob a ação do inclemente sol nordestino. De lá, os banhistas são acompanhados por oito profissionais da EcoNoronha devidamente qualificados para o banho assistido, que poderá ser desfrutado todos os dias, das 8h às 18h. Oinvestimento total da implantação do projeto foi de R$ 37 mil. As cadeiras anfíbias são fabricadas pela Ortomix, em Aparecida do Goiás (GO), e custam R$ 5.415 cada uma. A recifense Yoko Farias Sujimoto, 29 anos, e o cadeirante suíço Michel Peneveyre, presidente da ONG Rodas da Liberdade, que vive em Porto de Galinhas, foram os escolhidos para estrear o serviço da equipe e a curtir as delícias do mar de Noronha. “Estou muito feliz de estar aqui. Esse é um sonho de muitas pessoas em minha condição. Sei que muitos virão depois de nós dois”, diz emocionada Yoko. Já para o quase pernambucano Michel, a palavra que melhor define a experiência de ontem é felicidade. Tanto que este foi o nome que ele deu à tartaruga encontrada no mar naquela manhã pela equipe do Projeto Tamar. A recifense preferiu pegar emprestada a sugestão do rapaz que a assistia no banho de mar e batizou o animal marinho de Nó, em homenagem à ilha. Surgia naquele instante a mascote da dupla especial de banhistas. Para o secretário de Turismo de Pernambuco, Alberto Feitosa, a implantação do equipamento é de grande importância para o turismo do Estado, que tem na acessibilidade um dos seus grandes focos. “Essa é uma das minhas grandes missões. E hoje é um dia feliz, histórico. Muito tenho a agradecer à coordenadora do Programa Turismo Acessível, Morgana Cavalcanti, que dá o exemplo e nos serviu de inspiração. Ontem (30), por coincidência, fez dez anos que ela ficou impossibilitada de andar”, pontuou o secretário, complementando que a próxima cidade a receber o projeto Praia sem Barreiras será o Recife. A data foi escolhida a dedo, acontecerá no dia 12, quando se comemora o aniversário da capital pernambucana. “Vamos dar esse presente ao Recife”, festeja. Para definir onde implantar o novo serviço em Boa Viagem, a Empetur contou com a ajuda de um dos parceiros no projeto, o Instituto Oceanário da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), que realizou pesquisa sobre ataques de tubarão na orla recifense. “Não podemos correr riscos”, diz Mosana, ao informar que o Praia sem Barreiras será instalado em frente à Rua Bruno Veloso porque lá, segundo o estudo, é a área que menos registros possui de ataques de tubarões. “Ao contrário de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Rio Grande do Sul, nosso ponto de acessibilidade será sempre no mesmo local”, ressalta a coordenadora da Empetur, complementando que isso ajudará ainda mais as pessoas com dificuldade física como ela. Mosana ficou impossibilitada de andar depois de ser atingida por um tiro durante um assalto nas proximidades do Edifício Califórnia, na Avenida Boa Viagem, em 2003. Participaram ainda do evento de lançamento do Praia sem Barreiras o administrador do arquipélago, Romeu Baptista, o secretário nacional de promoção dos Direitos Humanos, o pernambucano de Garanhuns, Antonio José Ferreira, o chefe do ICMBio, Ricardo Araújo, Pablo Móbis, gerente do Eco Noronha, todos parceiros na ação de acessibilidade num dos destinos mais cobiçados Brasil afora. ACESSIBILIDADE – Não foi à toa que o arquipélago Fernando de Noronha foi escolhido para a estreia do Praia sem Barreiras. A empresa Eco Noronha tem investido forte em acessibilidade na ilha no último ano, quando o acesso ao Mirante dos Golfinhos é possível graças à trilha suspensa, construída com madeira biossintética. O Mirante do Sancho, onde é possível observar o belo cenário da praia que leva o mesme do ponto de observação, tammbém é totalmente acessível. O caminho até o Mirante Dois Irmãos, o principal ícone da ilha, é outra trilha construída para dar acesso ao ir e vir de todos. Ambas dispõem de acessibilidade assistida e foram construídas pela EcoNoronha. Falta entregar ainda a trilha da Praia do Leão, prevista para ser entregue até o fim deste ano.
A cadeira de rodas anfíbia flutua no mar e o seu material não esquenta

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Criança de 3 anos com paralisia cerebral deve conseguir andar até o Natal – graças à aplicação de botox em suas pernas

Depois da afirmação feita pelos médicos de que botox poderia ajudar a relaxar os músculos das pernas do britânico Aiden, 3, que tem paralisia cerebral, seus pais, Sara e Gevun Farrel, têm esperança de que ele ande até o Natal, segundo noticiou o jornal britânico Daily Mail. O menino foi diagnosticado com a doença logo após seu nascimento prematuro de 29 semanas. Com os anos e na medida em que seus músculos da perna foram se contraindo parecia que ele não poderia mais andar. Com ajuda dos vizinhos da família, que arrecadaram cerca de R$ 23 mil para pagar a cirurgia – que acontecerá em 14 de dezembro –, o dinheiro também será gasto em fisioterapia intensiva. Apesar da fama pelo uso do Botox por celebridades para suavizar rugas, vale lembrar que o mesmo também é usado no tratamento de enxaquecas e incontinências. Com uma pequena quantidade de toxina, algumas doses de Botox podem ajudar a relaxar a contração dos músculos em pessoas com paralisia cerebral, ao bloquear os impulsos nervosos. Com a melhoria no controle dos movimentos e a redução do risco de encurtamento nos músculos e tendões, a mãe de Aiden, 31 anos, acredita que o tratamento será o melhor presente de Natal que ela já ganhou. Sara contou ainda ao jornal que se sente inútil por não poder fazer nada além de massagens em nas perninhas do filho, como forma de alívio para a dor, mas acredita que se não fosse pela ajuda de todos os envolvidos, Aiden não teria condições nem mesmo de fazer a fisioterapia após a cirurgia. O que restar dos recursos captados deverá ser destinado à compra dos equipamentos necessários para a fisioterapia e algumas alterações essenciais na casa da família. Estima-se na Inglaterra que uma em cada 400 pessoas tenha paralisia cerebral, o que afeta a região de controle dos movimentos e da musculatura.






Fonte: "Revista Crescer"

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

"Dia dos cães"

Bom, todo dia é dia de alguma coisa.
Dia 4 de outubro é o Dia dos Cães, que é celebrado na mesma data que o Dia Mundial dos Animais, data escolhida por ser a da morte de São Francisco de Assis, padroeiro dos animais.

Então hoje é o dia das minhas pimpolhinhas Preta,  a yorkshire e Catarina,a labradora ....amooo mto...mto... vcsss!!! 

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

sexta-feira, 28 de setembro de 2012

A batalha dos estudantes com deficiência nas universidades

Segundo relatos, dificuldades começam antes mesmo de chegar aos locais dos exames




A conquista de uma vaga em uma universidade pública é um sonho para muitos jovens brasileiros. Dominar o conteúdo exigido no vestibular, no entanto, pode não ser o principal desafio para que um aluno consiga ingressar em instituições de ensino superior. Segundo relatos de candidatos com deficiência, as dificuldades começam antes mesmo de chegar aos locais dos exames que, muitas vezes, não oferecem a acessibilidade necessária.
Outras barreiras podem estar embutidas nas próprias questões que os alunos devem resolver nas provas, como contou Maria das Graças Morais, 21 anos. A jovem, que tentou o vestibular da Universidade de Brasília (UnB) cinco vezes, coleciona relatos de problemas.
“Em uma das provas, uma questão deveria ser feita com base na observação da figura de uma bicicleta. Por incrível que pareça, na prova adaptada para o braille não havia a descrição da figura e na prova do ledor, que nos ajuda a saber o que está sendo pedido, também não havia a figura para que ele pudesse descrever o que estava vendo. Como eu poderia fazer aquela questão?”, questiona a jovem, que tem deficiência visual.
Dados do Censo da Educação Superior de 2010 apontam que em um universo de 6,3 milhões de estudantes matriculados em cursos de graduação, apenas 16.328 universitários são identificados como pessoas com deficiência. Desse número, 10.470 estão na rede privada. O dado mostra a realidade sobre a dificuldade de ingresso e permanência dos estudantes com deficiência no ensino superior no Brasil.
Ronan Alves Pereira é pai de Tomás Pereira, 20 anos, estudante cego do 5º semestre do curso de letras e tradução em inglês da UnB. Ele também acredita que o filho foi prejudicado por condições inadequadas nas provas da universidade. Em uma das vezes, o rapaz, que nasceu cego, fez o vestibular da instituição e foram identificados erros de grafia em enunciados e de transcrição para o braille.
“É uma situação muito grave encontrar uma cadeia química incompleta ou sinais trocados em equações matemáticas: no lugar do sinal de adição, o de subtração. O resultado nunca daria certo”, conta Ronan.
No entendimento de Tomás, há precariedade no atendimento ao aluno com deficiência.“O atendimento ao aluno e à família das pessoas com deficiência é extremamente precário. Além disso, não há vontade política de tirar as barreiras. Os problemas são questionados, mas não temos solução. Nas respostas, a universidade é omissa, discriminadora”, argumenta o estudante, que lamenta por muitos amigos com deficiência que não conseguiram entrar na universidade como ele.
“Identificamos várias divergências na prova, foram sucessivos recursos e uma longa jornada até conseguir entrar na faculdade. Há vários colegas que não têm oportunidade ou conhecimento dos recursos e ficam pelo caminho”, destaca.
Depois de algumas tentativas, Tomás conseguiu entrar na universidade. Para garantir a vaga, contou com a ajuda do pai que checou item a item da prova tradicional com a prova aplicada ao filho, em braille. As dificuldades, no entanto, não acabaram. Ele teve de enfrentar a falta de estrutura para a locomoção dentro do campus.
“Ir ao banheiro, por exemplo, é muito complicado, pois não há identificação nas portas. Outro problema é conseguir mesa para colocar o teclado de braille, que é grande e não cabe em uma mesa comum. Nem todos os professores se dispõem a compartilhar a sua própria mesa comigo”, conta ele, que diariamente é obrigado a desviar de bebedores, cadeiras e outros obstáculos com auxílio de uma bengala. É ela que o ajuda a identificar, quando há piso tátil, o caminho para onde quer chegar.
Luiz Antônio Bichir Garcia, 25 anos, é calouro na UnB. Aluno do primeiro semestre de história, Garcia, que sofre de uma paralisia cerebral, precisa de estrutura adaptada para acompanhar as aulas. Ele é cadeirante, tem atrofia nas mãos, não lê e nem escreve. Conta com ajuda de sete tutores da universidade para gravar as aulas e os textos trabalhados pelos professores, além da locomoção pelo campus.
O pai do jovem, Luis Antônio Garcia, que o acompanha diariamente, diz que a estrutura não é adequada, mas acredita que há uma preocupação da instituição em avançar.
“O campus tem muitos problemas para o deslocamento de cadeirantes. As calçadas são esburacadas, as rampas de acesso são muito íngremes e os banheiros não são adequados. Mas a universidade oferece certo apoio aos estudantes e estamos otimistas. Acreditamos que, aos poucos, as coisas vão melhorar”, diz.




Fonte: Estadão

Zé Renato desrespeita Justiça e por falta de medicamentos, paciente morre

"BARRA MANSA"
O prefeito de Barra Mansa e candidato a reeleição, José Renato (PMDB) e o Secretário de Saúde, Wilton Neri Pereira, respondem a processo movido pelo Ministério Público por improbidade administrativa por terem descumprido sucessivas ordens para o fornecimento de medicamentos a pacientes e, segundo a 2a Promotoria de Justiça da Tutela Coletiva Núcleo de Volta Redonda, a negligência dos gestores públicos causou a morte de um paciente, como narra o Inquérito Civil no.: 42/11:
“Os usuários do Serviço de Saúde prestado pelo Município de Barra Mansa vêm, na gestão dos réus, sofrendo com falta de medicamentos. Em razão disso, diversos pacientes recorrem à Defensoria Pública, que então propõe ações individuais, com pedido de condenação do Município à entrega de medicação”, destaca trecho da ação.
Outros trechos são ainda mais duros com o prefeito e seu Secretário de Saúde: “Os réus vêm descumprindo as ordens judiciais que determinam a entrega de medicamentos, desafiando a autoridade do Poder Judiciário, e dando azo, inclusive, à incidência de multa contra o Município. A gravidade da situação é tamanha, que, em diversos casos, desobedecida a ordem judicial de entrega de medicamentos, outra alternativa não restou à Defensoria Pública que não postular o arresto de dinheiro da conta do Fundo Municipal de Saúde, para que o autor da ação, seu assistido, providenciasse, por si, a compra do remédio”.
No processo, os promotores citam, que, além da negligência, do “desprezo com a autoridade do Poder Judiciário”, “prejuízos aos cofres públicos com as multas, “a conduta dos Réus também põe em risco a saúde e a vida dos pacientes”.
Um exemplo de morte causada por omissão e negligência do Prefeito Zé Renato e do Secretário de Saúde foi descrita pelo Ministério Público no inquérito. Apesar de diversas decisões judiciais determinando o fornecimento de medicamentos (DUOVONT SOL 15 ml, PREDCORT 20 mg, SPIRIVA 1 cx SYMBCORT TURBO 400 mg), a prefeitura sistematicamente descumpriu as decisões judiciais. A filha do paciente narrou o seguinte ao Ministério Público:
“...que durante a doença de seu pai houve muita dificuldade em obter a medicação, pois as receitas tinham prazo de 30 dias, e, por causa da falta dos remédios na farmácia, o prazo da receita acabou vencendo e aí era preciso realizar nova consulta médica; que, no final, havia atrasado em 3 meses na entrega do remédio, que o Sr. Ary foi internado no hospital durante 12 dias e acabou falecendo, que nem no hospital o remédio foi fornecido”.
Segundo a Promotoria, ao deixar de assegurar o fornecimento dos medicamentos de “que Ary Augusto Muller fazia uso contínuo e que eram essenciais a sua saúde e vida, fato que prejudicou sobremaneira o tratamento do paciente e culminou com seu óbito em junho de 2010”.
A situação é mais grave ainda, segundo o MP, porque os medicamentos fazem parte de Listagem de Medicamentos Padronizados (Portaria MS 2982/2009), o que agrava mais os fatos, pois deveriam estar sendo fornecidos regularmente pela Farmácia Municipal.
NOTA
A equipe do jornal A VOZ DA CIDADE entrou em contato com a assessoria do prefeito José Renato, que informou que a Consultoria Jurídica da Prefeitura informou que ainda não foi informada sobre o processo com relação a falta de medicamentos. “As demais ações decorrem do ato de gestão. Quanto ao prefeito Zé Renato, ele tem muita tranquilidade, pois sempre pautou sua conduta com a mais estrita observância aos princípios éticos, morais e legais”, informou a nota.


 
ENQUETE
A equipe do A VOZ DA CIDADE foi ás ruas e perguntou para a população como eles avaliam a saúde de Barra Mansa e como reagiriam se prefeitura, em caso de emergência, negasse medicamento a eles.
“A saúde não está de todo mal, em relação a UPA é nota dez, mas num todo ainda pode melhorar muita coisa. Tirando a unidade, pessoas estão tendo dificuldade de serem atendidos. Se o governo federal ajudasse iria ser muito melhor. Ficaria frustrado se não houvesse o remédio, é uma situação inaceitável”, Cavalcante Albuguerte, aposentado de 80 anos.
“A situação atual está bem complicada, a população está crescendo e o serviço de saúde não está acompanhando. Existe a necessidade de melhorias urgente! Outro problema grave é o preço alto dos remédios, por isso se faltasse o medicamento que necessito ficaria difícil, só iria existir uma saída, comprar o remédio, porém nem todos têm o dinheiro necessário”, Luiz Tiburte, aposentado de 79 anos.
“Péssima, uma vez fui à UPA com a minha menina, cheguei por volta das 19 horas, sai de lá mais de meia noite, total descaso. Uma desorganização que só quem passou sabe e precisa urgentemente melhorar. Seria uma coisa constrangedora não ter o remédio, muitos não têm o dinheiro para comprar eles e dependem desse serviço para sobreviver. Uma situação muito complicada!”, Marcelo Fontara, marceneiro de 41 anos.
“A saúde passa por um momento delicado, existem aspectos que precisam melhorar urgentemente, como a rede de hospital, que é muito pequena para o número de barramansenses. A falta de remédio é uma situação péssima para qualquer um, não deveria haver a falta de medicamento, os responsáveis têm que arcar com a culpa”, Marcos Vinicius da Silva, vendedor de 25 anos.
“A saúde do município está bastante ruim, existem pessoas sofrendo muitos problemas por conta dessa baixa qualidade. Precisa ter mais médicos, agilidade no atendimento, pois quem não tem convênio sofre muito. Essa situação de falta remédio eu tenho dentro de casa, meu filho é hipertenso e às vezes não tem, aí tem que comprar, não tem outro jeito”, Gilca Maria, aposentada de 72 anos.
“Péssima, além da saúde estar precária, existem médicos que não estão preparados, grossos. Uma cliente minha falou que foi à UPA e foi muito mal tratada, além de esperar muito e existir burocracias de mais. Se tivesse o remédio iria morrer. A gente que trabalha já é difícil comprar o remédio, e quem depende desse serviço? Uma situação bastante difícil”, Viviane Schirmer, cabeleireira de 48 anos.
“As condições enfrentadas pela saúde atualmente estão péssimas, falta mais empenho e recursos nos hospitais e postos de saúde. E parece que não está havendo mudança nenhuma, está parado, não está havendo evolução nenhuma. Se existe o comprometimento de dar o remédio, não pode haver a falta dele”, Thainara de Aguiar Silva, estudante de 18 anos.
“Hoje está muito complicado, todos os lugares da saúde estão sempre lotados, não está dando vazão. Além disso, o atendimento encontrado é muito precário, está melhorando pouco, mas está. Porém, tem que melhorar mais rápido para acompanhar o crescimento da cidade. Ficaria revoltado se não houvesse o remédio, prometer uma coisa e não cumprir é deprimente”, Relsion Benedito Barbosa, técnico em manutenção de 46 anos.
“A saúde da cidade está muito ruim, precisa de bem mais melhorias do que está havendo agora. A gente que trabalha e não tem horários flexíveis para marcar alguma consulta, é muito difícil, sempre não tem hora. Alguns comprariam o remédio caso não houvesse, reclamar na prefeitura não adianta, eles não resolvem nada. Não pode ficar sem o remédio se não só piora”, Anataliana Vargas de Oliveira, crediarista de 21 anos.
“Saúde péssima, porque não tem dinheiro nenhum para investir. Muitas pessoas estão morrendo sem nem ter uma consulta, e quando tem o remédio é caro de mais. Essa situação já aconteceu comigo, fui lá uma vez e não consegui pegar remédio, nunca teve, não volto mais para pegar, é perca de tempo”, Juvenal Novaz, aposentado de 85 anos.
 
 
 
 
Fonte: A Voz da Cidade
Postado em 28/09/2012

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Meu neuro...

Para quem não conhece esse é meu neuro Dr.Cláudio Brito.Ele cuida de mim desde o meu primeiro dia de vida,uma pessoa maravilhosa.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Aprovada MP que reduz tributos para pessoas com deficiência

O Plenário aprovou, nesta terça-feira (10), a Medida Provisória 549/11 , que reduz a zero as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a importação e a receita de venda no mercado interno de produtos destinados a beneficiar pessoas com deficiência. Aprovada na forma do projeto de lei de conversão do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), a matéria será analisada ainda pelo Senado.

Uma das mudanças feitas pelo relator foi a inclusão dos neuroestimuladores usados por pessoas portadoras do Mal de Parkinson entre os equipamentos beneficiados pela isenção. Mabel também concedeu isenção para softwares de sintetizadores de voz e de conversão do texto em caracteres braile.

O benefício faz parte do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, batizado pelo governo de Viver Sem Limite. Ele reúne ações estratégicas em educação, saúde, cidadania e acessibilidade.

Inclusão digital

Segundo dados do Ministério da Fazenda, a renúncia prevista de receitas com a isenção de produtos para as pessoas com deficiência é de R$ 161,99 milhões para 2012 e de R$ 178,80 milhões em 2013.

Vários equipamentos isentos estão relacionados à acessibilidade digital, como mouses com acionamento por pressão, teclados adaptados, digitalizadores de imagens (scanners) equipados com sintetizador de voz e impressoras braile.

Também contam com isenção desde 18 de novembro do ano passado, data de publicação da MP, as máquinas e linhas braile, calculadoras equipadas com sintetizador de voz, lupas eletrônicas e partes e peças para cadeiras de rodas.
Na área médica, a MP isenta desses tributos as próteses oculares, implantes cocleares (equipamento eletrônico que permite que pessoas surdas escutem) e aparelhos de surdez.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 45,6 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência, o que corresponde a 23,91% da população brasileira.

Fonte: Jus Brasil

Seguidores

Arquivo do blog

Carregando...

De Sonia e Ademilson :

De Sonia e Ademilson :